quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

O que Jarbas Vasconcelos esconde?

Toda a imprensa repercutiu a polêmica entrevista que o senador Jarbas Vasconcelos concedeu à revista Veja, que mais uma vez pauta a discussão política no País. O pernambucano Jarbas Vasconcelos afirma que as suas declarações à revista sobre os corruptos no PMDB “tem a função de abrir um debate dentro do partido, e na sociedade, sobre corrupção”. Os alvos mais definidos dos seus ataques são os também senadores peemedebistas Renan Calheiros e José Sarney.
O hábil e combativo parlamentar de Pernambuco conduz o seu discurso para denunciar que as relações entre o seu partido e o governo Lula são baseadas na corrupção e negociatas, e como prova disso destaca o histórico de Renan – que é líder da bancada dos senadores do PMDB - e Sarney, que foi eleito recentemente presidente do Senado.
Para encontrar as verdadeiras causas das denúncias é importante perguntar: que fato político incomodou Jarbas Vasconcelos, levando-o a “descobrir” corruptos no PMDB?
Não é difícil identificar que a eleição de Sarney para presidir o Senado foi uma vitória da ala do PMDB, que “tem preferência” pelo projeto eleitoral capitaneado por Lula. Renan, com livre acesso ao presidente da república, saiu fortalecido e autorizado a negociar a vice-presidência da chapa de Dilma Rousseff, candidata petista à presidenta do país. Não podemos esquecer que o pacote conta ainda com o deputado Michel Temer, também do PMDB, e que foi eleito presidente da Câmara Federal com o apoio de Lula e do PT.
Como se vê, o beco que leva ao Palácio do Planalto está estreito e já tem dono. O que sobra para a ala oposicionista do PMDB é uma aproximação com o PSDB de José Serra, mas que representa posições políticas mais conservadoras e comprometidas com Fernando Henrique Cardoso e seu desmonte do estado brasileiro. Como fica difícil para Jarbas Vasconcelos justificar politicamente essa aproximação, habilidosamente ele leva o discurso para dicotomia entre corruptos e os não corruptos com ele à frente. Assim fica encoberta a questão principal: o projeto Lula continua com Dilma Roussef ou José Serra trás de volta o projeto FHC, com o apoio e, talvez, participação de Jarbas na vice.
Quanto aos corruptos, nesse ou em outros governos, deviam estar todos na cadeia.

Um comentário:

Sérgio Campos disse...

Pois é Ticianeli, como deu pra perceber, nenhuma novidade o Jarbas trouxe, só veio confirmar o ha muito eu já desconfiava, o lamaçal de corrupção que se estende em Alagoas com envolvimentos de políticos influentes tem a garantia cada vez mais forte de continuarem impune enquanto houver o conchavo Renan/Lula.
A PF que sabe de tudo terá que ficar "na sua" até segunda ordem ou até uma desobediência política.

Sérgio Campos